ff

Blog do Sarico - (54) 8135 1778 - fabiocrestani11@gmail.com
sábado, 29 de janeiro de 2011
Automóvel faz 125 anos

Foi num dia 29 de janeiro, mas há 125 anos, que o alemão Carl Benz deu início a uma revolução que se alastraria não só pela Europa, mas por todo o planeta. Nesse dia, o engenheiro registrou a patente nº 37435 do seu “veículo impulsionado por motor a gasolina” num escritório de patentes em Berlim, marcando o nascimento do automóvel. Antes de prosseguir, porém, é importante deixar claro que a data se refere a veículos dotados de motor a combustão interna. Modelos equipados com propulsores a vapor (com uma caldeira) já existiam desde o século 17.

Apesar da produção em série dos primeiros automóveis terem sido iniciadas em 1888, eles demoraram a se tornar populares. Esse processo só começou no início do século 20 nos Estados Unidos, com a extinta Oldsmobile, e ganhou força graças a Henry Ford, que, em 1914, implantou a linha de produção do famoso Modelo T. O advento da produção em escala permitiu que cada carro deixasse a fábrica num período oito vezes menor que o dos concorrentes.

No início dos anos 1930, a Alemanha estava às voltas com uma grande crise, e uma das soluções apontadas para superá-la era a criação de um carro popular. Surgiram, então, os primeiros projetos de um “carro do povo” (Volkswagen, em alemão). Após diversos protótipos, nasceu, em 1937, o Fusca, então batizado de KdF (Kraft durch Freude, ou Força pela Alegria) Wagen. A eclosão da Segunda Guerra Mundial, entretanto, fez com que a Alemanha direcionasse todos os investimentos – e fábricas – para a produção bélica.

Mas o projeto do “carro do povo” era tão bom que superou as dificuldades e, após o fim do conflito, não demorou a ganhar as ruas de todo o mundo. Afinal, como o momento era de reconstrução e as pessoas necessitavam de um meio de locomoção barato, simples e confiável, o Besouro vinha bem a calhar.

A INDÚSTRIA NO BRASIL
No Brasil, a história da indústria automotiva começou em 1956, com o início da produção do Isetta, um curioso minicarro fabricado sob licença pela Romi, em Santa Bárbara d’Oeste, no interior de São Paulo. No mesmo ano, a Vemag começou a montar o DKW em São Paulo. Mas foi a partir de 1959 que a fabricação de automóveis passou para um nível superior com a inauguração da primeira unidade da Volkswagen, em São Bernardo do Campo, SP. De lá começaram a sair as primeiras unidades da Kombi – que, por sinal, segue em produção até hoje. Ford, General Motors e Fiat foram as outras grandes montadoras que se instalaram no Brasil posteriormente, até meados dos anos 1970.

Após um longo período fechado às importações, o mercado brasileiro finalmente voltou a receber produtos estrangeiros (incluindo automóveis) em 1990. A partir de então, houve uma verdadeira invasão de novos modelos. Importados que chegavam para conquistar um público ávido por novidades e os nacionais que foram obrigados a se modernizar a fim de concorrer com os recém-chegados. Um bom exemplo do segundo caso foi o Chevrolet Corsa, da GM, o primeiro veículo popular “moderno”, já que trazia inovações como o design contemporâneo e a injeção eletrônica de combustível em um motor de baixa cilindrada.

Hoje, o mercado parece ter encontrado um certo equilíbrio, com fabricantes locais e importadoras disputando, na maioria dos casos, segmentos diferentes. Os modelos mais luxuosos e caros chegam do exterior, enquanto os mais baratos e médios são feitos no país. Essa relação, contudo, pode ser abalada com a chegada dos automóveis chineses, que vêm se destacando em todo o mundo por conta de seus preços competitivos – e design ainda de gosto duvidoso.

COMBUSTÍVEIS DO FUTURO
Outra grande preocupação diz respeito ao sistema de propulsão dos automóveis. Afinal, desde o seu surgimento, há mais de um século, a gasolina segue sendo o principal combustível dos carros, assim como o motor a combustão interna. Mas a crescente onda ambientalista vem obrigando as fabricantes a desenvolver novas formas de propulsão. Surgiram os veículos movidos a célula de combustível, hidrogênio, elétricos e híbridos (além do brasileiríssimo etanol).

Contudo, a tendência é a de que não exista mais apenas um tipo de motor ou combustível no futuro. A saída será diversificar. De acordo com os especialistas, a próxima grande revolução no mundo dos automóveis pode ser provocada pela eletricidade. Se for uma revolução como a promovida por Carl Benz, que venha logo e seja bem-vinda.

Postado por Sarico as 21:33 e tem 0 comentarios

Posts mais recentes Posts mais antigos

 
Google
 

?timos Posts

Ranking dos jornais em 2010
Lá sim. Aqui não
RS poderá ter fábrica da Taser, a arma que paralis...
Goiana procura familiares de seu padrasto em Taper...
Cachês
Inflação em alta
Desvios
Sugestão
Tarso e a Agergs
A aposentadoria dos ex-governadores

Arquivos

Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012

 

 

 

WM INTERNET